segunda-feira, março 19, 2007

Eu e eu e eu...e eu

Eu não percebo as pessoas que têm discursos diferentes em público e em privado. Quero dizer, percebo mas não me agrada.
Eu tento ser coerente com a expressão da minha natureza, sou tão exagerado aqui (no blog) como na vida real.
Claro que a mudança de discurso é uma boa defesa dos nossos sentimentos e uma salvaguarda das nossas inseguranças; mas um muro é um muro, e as suas funções são cercar e defender - nem se sai, nem se entra.
As personalidades múltiplas, as diferentas facetas e identidades já passaram de moda. Agora, ao mesmo tempo que o individualismo e a diferença florescem, também a adopção de um eu único e imutável para todos os universos (real, imaginário e virtual) se torna cada vez mais um comportamento normal.
Não quero com isto dizer que por vezes não seja aceitável e mesmo saudável experimentar uma outra personalidade.
Claro que haverão aqueles que dirão que não se trata de múltipla personalidade mas sim de adaptação a uma outra realidade. Pois eu concordo que haja adaptação, mas isso não significa que se mude a identidade.
Eu tenho um certo orgulho por fazer amigos em qualquer tipo de realidade, isto porque me adapto muito bem. E sei que se o meu amigo da realidade A se encontrar com o outro meu amigo da realidade B, e se por acaso eu vier à baila numa conversa, é muito provável que qualquer um deles me identifique ou pelo menos diga que conhece alguém muito parecido.
Adaptação não é o mesmo que mudança de identidade.
Um caso curioso é aquele em que a pessoa é incapaz de se adaptar (mantendo sempre o mesmo estilo) mas consegue adoptar diferentes personalidades. Embora seja curioso é muito comum. Acho que que estas pessoas são teimosas, orgulhosas e arrogantes: Teimosas porque insistem em manter o seu estilo, orgulhosas porque o seu estilo é mantido por ser o melhor, e arrogantes porque todos os outros estilos são inferiores, não merecendo por isso a adaptação do seu ao dos outros.
Mais raro são aqueles que se adaptam e para isso usam diferentes personalidades, mas estes são casos patológicos ou fazem-no por necessidade. O doente mental e o espião, respectivamente, são casos paradigmáticos deste comportamento.
No final, talvez os familiares dos concorrentes dos Reality Show's é que têm (de uma forma estranha) razão quando dizem : Ele não está a ser ele próprio... não está ainda à vontade! Talvez durante esta semana ele se torne ele próprio e se descontraia mais. Faça as palhaçadas que costuma fazer à frente da avó...

15 comentários:

sem nexo nem sexo disse...

Boa tarde,
Eu sempre achei que quem se dá bem com todos, não se dá com ninguém. Existe uma empatia que fomenta a amizade. existem pessoas que fazem sobressair o melhor de nós, outras que nos intoxica. Portanto é normal que algumas pessoas são mais elas próprias com A do que com B.

É a vida.

Eu pessoalmente nunca gostei muito do K.

André disse...

Sem dúvida! Eu adapto-me bem a quem eu quiser mas dou-me bem com pouca gente...eu sei, devia ser internado.
O K também nunca me pareceu de confiança.

André disse...

De uma forma estranha consegues acabar por ser sempre do contra, não é snns? Estranha mas cómica.

sem nexo nem sexo disse...

quando concordo, não comento.



ok...concordo...sou do contra...

André disse...

Parece sina, só conheço pessoal do contra.

sem nexo nem sexo disse...

hooo andré....não faça isso...mesmo que seja (e sou), mesmo que o sinta (e sente) nunca diga a uma mulher que ela é igual a um montão de gente...Nem parece que foi criado por elas....

Mesmo que não seja (e não somos) cada pessoa gosta de se sentir especial.....

André disse...

Pensava que já estavamos numa base de tratamento por tu...
Só disse que a maior parte das pessoas que conheço são do contra, mas são todas (maravilhosamente) diferentes.
E deixa-me dizer-te que pelo teu nível de discurso acho que deves ser muito especial. Uma coisa é certa, não precisas de nenhum mestre ;-)

André disse...

Tenho alguma aversão ao 'você'.
Na minha família todos nos tratamos por tu. E ninguém falta ao respeito a ninguém.

alfabeta disse...

Eu dou- me bem com toda a gente que se dá bem comigo ou que me respeita, e dentro desse grupo tenho as pessoas que se identificam mais comigo ou que me inspiram confiança, agora amigas amigas são aquelas que mesmo não as vendo assiduamente sei que elas estão lá.

André disse...

Eu ás vezes não vou à bola com determinadas pessoas, nem que sejam muito simpáticas.

alfabeta disse...

andré
a vida ensinou-me a ser assim, a fazer uma selecção das pessoas mas sem me dar mal com ninguém.

André disse...

Não sou propriamente antipático, mas posso ser cínico.

alfabeta disse...

mas é que na sociedade em que vivemos temos muitas vezes que ser assim, mesmo que isso vá contra os nossos principios, e não volto mais aqui até tu ires ao meu blog fazeruma visita, lol.

André disse...

Eu vou todos os dias ao teu blog alfabeta, mas nem sempre me ocorre algo para dizer...mas vou tentar.

alfabeta disse...

ok, estás perdoado, és como eu quando não tenho nada para dizer, não vou comentar só por simpatia.