quarta-feira, novembro 30, 2005

Traição no confessionário

Quando falamos com alguém, amigo, sobre determinada pessoa, que só nós conhecemos, em jeito de corta-casaca, fazemos-o porque: primeiro, confiamos nessa pessoa; segundo, numa atitude de tentar aliviar o sentimento de revolta.
Claro que esperamos que essa pessoa respeite o nosso desabafo e não vá: primeiro, abrir-se todo com o visado; segundo, falar mal do visado, sem mais nem menos, a nós.
O facto de alguém "confessar", a nós, os seus sentimentos de revolta para com outrém, não nos dá o direito de, a partir desse momento, começarmos a falar mal desse outrém a quem se confessou. Esta regra, claro, só se aplica se o outrém só for conhecido da pessoa que se queixa dele.
Faz parte da boa educação agir deste modo, e quem assim não age não foi bem educado.

Tende pena de mim. Estou doente!

Eu detesto conversa de doenças, então quando alguém que eu não gosto particularmente ou uma pessoa estranha me vem falar das doenças que teve/tem, a minha reacção, se bem que não é visível, é de repulsa e de "o que é que eu tenho a ver com essa merda?".
Pior ainda, patético até, é quando são homens crescidos a falar das suas doenças. Repugnante!
As descrição das doenças é assunto para o médico ou para casa.
Adoeçam para dentro, seus mariquinhas!

terça-feira, novembro 29, 2005

Repulsão da empatia

Arrogância e complexo de superioridade - Aqueles que mudam e os que não mudam:
Há os que mudam quando se vêem num aparente estágio superior em relação a todos os outros, ou pelo menos em relação aos que os rodeiam. Um novo estágio pode ser superior, de facto, mas nem por isso é de justificar este tipo de comportamento. Esta alteração de comportamento está latente, na maioria das vezes, em indivíduos com determinados distúrbios emocionais (insegurança; insatisfação; indecisão; falta de empatia; falta de imaginação; falta de autonomia).
As duas características supracitadas encontram-se latentes até serem despoletadas, violentamente, por uma mudança social positiva em favor do sujeito. Este, rapidamente, adopta uma atitude que faz em crer uma súbita mudança de personalidade. O que é uma dedução errada, uma vez que o sujeito sempre possuiu estas características, embora latentes - adormecidas.
O salto da insegurança para o complexo de superioridade e por conseguinte para a arrogância, é devido ao "falso" escudo que lhe é fornecido quando muda de patamar. No entanto, estruturalmente, o animal, perdão, o indivíduo permanece o mesmo. As suas carências, defeitos e qualidades permanecem as mesmas. O escudo não passa de uma ilusão bem conseguida por uma sociedade que privilegia a standardização da sua mão-de-obra.
Depois os que não mudam. Estes, desde cedo, apercebem-se da condição e natureza humana, e, obviamente, são dotados de grande empatia e imaginação. Para a sociedade são produto estragado, uma vez que são avessos à standardização. São objecto de desdém e inveja dos primeiros (arrogantes, etc), uma vez que possuem qualidades (e defeitos?) que esses são incapazes de desenvolver.
Sendo os dois tipos de personalidade a natureza humana no seu esplendor - Os extremos unem-se mas divergem. O paradoxo humano em acção -, e sendo a reacção de um a acção do outro, então eu diria que o primeiro será sempre delegado para o papel de antagonista e o segundo de protagonista, ainda que silencioso.

segunda-feira, novembro 28, 2005

Insurreição ou terrorismo?

A discussão sobre a definição de terrorismo e a distinção entre este e o direito à insurreição que a todos (população mundial) deveria assistir, está na ordem do dia.
Várias organizações, mundiais e locais, debatem os limites da definição de "terrorismo".
Procura-se um paradigma para a definição. A meu ver, erradamente!
Claro que se me perguntarem se um tipo que se explode num autocarro cheio de pessoas é um acto terrorista, eu diria que sim! Sem dúvida! Mas estes exemplos são apenas uma gota de água no que diz respeito a actos violentos, ditos de retaliação.
Eu sei o que a nossa constituição (portuguesa) diz, muito claramente, sobre a insurreição:


Artigo 21º
(Direito de resistência)

Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias e de repelir pela força qualquer agressão, quando não seja possível recorrer à autoridade pública.


E concordo!
E posso, devo, compreender este direito fundamental para todos os países, mesmo que não o tenham na sua constituíção.
Por exemplo, um país como o Iraque, que foi invadido, justa ou injustamente, terá direito a se defender? De que forma? Ora a violência gera violência...infelizmente.
Enquanto as discussões continuam, muitos inocentes morrem, todos os dias. E assim continuará a ser enquanto houver poder, de um sobre todos1 ou de todos sobre poucos2.

1 - Regime fascista;
2 - Regime democrático.

quinta-feira, novembro 24, 2005

A Fé move montanhas...de idiotas!

Aparentemente, encontraram outra reencarnação de Budha. Parece que um rapaz, lá para as Indías, está a em posição Lótus há cerca de seis meses, e durante este tempo todo não comeu nem bebeu.
Esta notícia vi-a à hora do almoço, mostraram o rapaz (estava debaixo de uma árvore à semelhança do outro mais conhecido) que - diziam - estaria a atingir o Nirvana.
Todos os dias, cerca de dois mil peregrinos o visitam.
A minha pergunta é: alguém já lhe verificou a pulsação? Estará ele num estado de coma qualquer?
Lamento ser tão cínico, mas com toda a história de embustes e com o agravamento de eu não acreditar nestas coisas, não tenho outro remédio se não sê-lo.
Mas o Budismo, como não é uma religião, e até tem umas ideias simpáticas, não me provoca grandes alergias. Agora o catolicismo já é outra coisa...
E destes últimos tenho a informar que todos os que quiserem ser padres e forem homossexuais já não o podem fazer (sinto muito Não Anónimo). Já os que forem pedófilos têm entrada garantida. E não quero com isto comparar uma coisa com a outra.
Em relação aos Judeus, não se pode entrar e ponto final, tem que se nascer.
Os muçulmanos estão a aceitar qualquer um. Parece que com estes critérios de selecção estão a ter um aumento explosivo.
Os Manás, IURD's e Testemunhas de Jeová, tencionam comprar terrenos no Vaticano e em Meca. O Papa diz que a culpa é do Dan Brown.

quarta-feira, novembro 23, 2005

Mary Potter a.k.a. Não Anónimo

























Versão hardcore do filme Harry Potter, com o famoso actor Não Anónimo.
Este actor, que já nos presenteou com filmes de culto como Alice no país das grandes pilas; O gato das bolas grandes; A bela e o monstruoso; A Gata Borrapeida; etc, vem agora executar um dos maiores e melhores papéis da sua longa carreira.
Sem dúvida, um filme cinco estrelas.
A sua entrega à personagem irá ser lembrada durante muitos anos. O detalhe e a perfeição com que interpreta Mary (especialmente na cena do concurso em que é "subjugada" por um dragão) é formidável.

a.k.a. - also known as (tradução: também conhecido(a) como).

P.S. - Os mosquitos que a atacam espetam bem.

segunda-feira, novembro 21, 2005

A grande fuga dos feios, porcos e maus

Porque é que Portugal continua atrasado economicamente?
A minha opinião é que se trata, em grande medida, de um problema de atraso social.
Ainda estamos presos ao cinzentismo e à uniformidade voluntária. Dir-se-ia que, com as novas gerações (anteriores), já deveríamos ter outro tipo de mentalidade, mas assim não aconteceu.
Somos de facto cinzentos. Amenos. Não bélicos. Anti-revolucionários. Anti-mudanças. Olhamos de lado, com sarcasmo, para aqueles que tentam ser diferentes. Desconfiamos do bom - ai de quem se confessar bom em alguma coisa - o bom é mau. Autoinfligimo-nos com uniformidade, ser diferente é estranho. Reciclagem (formação) no trabalho é vista com humor e ridicularizada. Somos parolos!
Eu já viajei um pouco, há uns anos atrás, e foi aí que me apercebi do que ser português significa lá fora. Somos vistos como uns atrasaditos. Somos feios, porcos e maus. E tenho que dar a mão à palmatória, porque essa análise estava absolutamente correcta. Agora dizem-me que ainda (já passaram 15 anos desde as minhas aventuras por outros territórios) somos vistos dessa maneira e mais uma vez tenho que deixar a minha mão ser severamente açoitada.
Estas características que nos moldam também nos impedem de evoluir socialmente. Porque somos assim não podemos ser: inovadores; participantes na vida pública; informados; bem educados; bem formados; contestatários (com efeito palpável) ao que acharmos errado. Em conclusão, europeus de igual para igual.
O que me entristece é que pelo andar da carruagem, e a não ser que sejamos "colonizados" por potências económicas estrangeiras, só vejo isto a andar um bocado mais para a frente quando as novas gerações pegarem neste país. O que serve para dizer que só daqui a não menos do que dez anos, provavelmente vinte anos, é que estaremos ao mesmo nível (estou a ser optimista), socialmente, de países como a Suíça, Inglaterra, etc.
A minha pergunta agora é: Para quando uma grande vaga de emigração dos portugueses cansados desta merda?

sexta-feira, novembro 04, 2005

O Não Anónimo é um anormal!

No post 'Adeus Deus!' o Não Anónimo comentou sobre uma situação que eu achei que devia apagar. Pois descrevia o que eu acho que pertence apenas à familiaridade e amizade, ou seja, relatou uma história privada.
Logo a seguir a apagar este comentário (nunca o tinha feito) arrependi-me. Pois acho que nunca em caso algum se deve censurar ninguém. Por isso mesmo venho aqui repor esse comentário:


"Já agora, a figura apresenta Jesus Cristo... Mas não é sobre isso que quero falar, digo, escrever.

Quarta-feira, dia 2 de Novembro, dia de troca intensa de posts entre mim e o André, após o último post, tive que passar ao pé do trabalho do André, e entrei sorrateiramente no gabinete dele, e o que ele estava a fazer? Estava a «penso eu» a responder ao meu último post, tinha aberto uma janela onde pude ler várias coisas entre as quais a palavra retórica. Entretanto a "figura" dá pala minha presença e levanta-se do banco, ficando tão vermelho «nunca tinha visto ninguém tão vermelho, parecia que ia rebentar» que por momentos pensei que o André tinha sido "tomado" por um extraterrestre e o dito bicho estava em modos de sair cá para fora, tal era a vermelhidão. Mas de súbito tudo ficou claro, com o Adrezito a dizer... Estás a abusar «em voz baixa», ai ví que ainda era o André, depois acompanhou-me até a saída do gabinete e repetiu, estás a abusar, em tom grave e monocórdico... Foi cómico, garanto que foi... No dia seguinte, fui até à porta da casa dele pedir-lhe um favor, ao que ele respondeu-me repetidamente, que não era capaz, não conseguia entender nada, que não tinha capacidade etc...
Bom sem palavras... "


Agora passo a dar a minha versão da história.
Estava de facto a escrever um novo post e não a comentar o que o Não Anónimo tinha, em abundância, comentado acerca dos meus outros posts.
O que se passou foi que o Não Anónimo, de maneira subtil e silenciosa, entrou no meu gabinete sem eu dar por isso e pôs-se a ler o que eu escrevia (a minha cadeira está de costas para a porta). Claro que eu não gostei desta intromissão, tanto no meu local de trabalho como na minha privacidade. De seguida, começou a rir-se e a gozar com o facto de eu ter sido apanhado "com a boca na botija".
Eu sou um tipo paciente e por isso, calmamente, expulsei-o do meu gabinete sem mais explicações. Não me lembro de ter dito "estás a abusar", mas foi de facto o que ele fez, abusou!
Se a minha indignação foi uma coisa assim tão estranha e cómica para ele, só vem provar que o Não Anónimo é um completo idiota e não sei porquê que o tenho ainda como amigo.
E mais, ele esquece-se que nunca eu deixei de respeitar o facto de ele querer permanecer anónimo. O mais engraçado é que ele proteje a sua identidade por causa da sua "importante" função na sociedade. Mais uma faceta de um hipócrita. Quem é honesto é-o em todas as facetas da sua vida.
Claro que a minha vontade de interagir com ele, reduziu-se para zero. Pelo menos, durante uns dias nem lhe conseguiria (consigo) ver as trombas.
Quebraste duas regras fundamentais comigo, tentaste foder com a minha privacidade e achas que podes fazer de mim um palhaço. Vai à merda!!!
Existe aí muita frustração acumulada, mas eu não sou teu familiar nem psicanalista, por isso não tenho obrigação de te aturar.

P.S. Posso ser ateu mas tive catequese durante uns anitos, por isso sei que Jesus e Deus são só um. Só tu é que passas por ignorante, como sempre.

Fachadas portuguesas













Se em (quase) todas as organizações mais ou menos estruturadas e hierarquizadas se transmite o valor/mérito de uma pessoa através de algo simbólico como o vestuário (e outros), há uma em que isso não acontece, a sociedade civil.
É verdade que o dinheiro pode vir do mérito e valor, mas também é verdade que nem sempre (muitas vezes) é assim. E o dinheiro é o valor com o qual nós adquirimos os nossos símbolos a que temos direito ou julgamos ter.
Tomemos como exemplo o fato e gravata. Qualquer um de nós pode adquirir um conjunto mais ou menos caro, consoante o sacrificio a que queiramos nos submeter. Claro que mais dinheiro traz maior qualidade mas não necessariamente melhor gosto.
Existem muitas pessoas que estão dispostas a passar por sacrificios para obterem a sua indumentária e meio de locomoção apenas para manterem uma aparente posição priveligiada na hierarquia social.
Diria então que a sociedade em que vivemos não passa uma fachada para esconder a nossa "falta de pão", e toda a gente discute mas ninguém tem razão.

quinta-feira, novembro 03, 2005

MTV - Merda de TeleVisão!!!

Irrita-me profundamente a MTV!! Revolta-me!!!
Revolta-me a censura musical da MTV!
Revolta-me a postura mediática politicamente correcta!!
Revolta-me o tratamento da música como um factor puramente económico!
Revolta-me o tipo de música que passa na MTV!! Se é que se pode falar de música em alguns dos casos!!
Revolto-me contra uma estação de televisão que promove o mau gosto musical na geração mais nova!
Revolta-me o provincianismo Lusitano que se instalou por ter cá um "MTV EUROPEAN MUSIC AWARDS" para distribuir prémios ao mau gosto musical!!
Preocupa-me profundamente sentir que os nossos teenagers vão estar injectados com Lixo
Musical, sem que eu veja grande capacidade para fazer uma "limpeza ecológica" aos seus ouvidos!!
A MTV é a grande responsável pela enorme diminuição de qualidade da música ouvida pela generalidade do público.
Aliás, um artista que não passe na MTV é porque deve ser bom!!!
A MTV promove a "música" fácil, os PIMBAS da música internacional!! Os Emanueis do mundo!!
Estas pessoas normalmente não lêem, não ouvem música que estimule o cérebro a actuar, a pensar, nada!!!
Será este o nosso futuro??????

quarta-feira, novembro 02, 2005

Adeus Deus!




















Os religiosos têm a mania de dizer que se devem respeitar as crenças alheias. Eu não concordo. E com isto não quero dizer que não respeito as pessoas, apenas as suas ideias é que eu não respeito.
Tolerar as pessoas com diferentes ideias não é igual a aceitar as suas ideias. Tolero-as (as pessoas) mas não aceito as suas ideias.
E mais, tenho todo o direito de fazer humor (corrosivo ou não) das suas ideias. Se levarem a mal, tanto pior, não leiam.
Se fosse dado poder de governo à Igreja, sem dúvida estaríamos a viver num estado fascista a beirar o totalitarismo.
A única coisa que me alegra é que a tendência é a extinção de todas as religiões. Já se nota aqui e ali, as chamas divinas apagam-se lentamente. Adeus Deus!