segunda-feira, março 16, 2015

Confuso

Sinto-me confuso.
Passei de bicicleta com um sorriso por várias enormes filas de pessoas que esperavam o autocarro, substituto do metro em greve. Agora penso que se tivesse um furo em frente de uma dessas filas, enquanto sorria, nunca daria parte fraca; continuaria até virar a esquina.
Não gostei de um único vídeo sobre a humildade e a generosidade de quem dá algo a um sem abrigo; acho-os todos falsos.
Estou contente que o Sócrates continue na prisão; nunca gostei dele.
Confuso porque sou torto.

segunda-feira, dezembro 01, 2014

Citações

Odeio citações, mas esta toca-me profundamente

"Be soft. Do not let the world make you hard. Do not let pain make you hate. Do not let the bitterness steal your sweetness. Take pride that even though the rest of the world may disagree, you still believe it to be a beautiful place."
(fonte provável: http://www.iwrotethisforyou.me/2007/08/fur.html)

Desde novo que quase diariamente tenho a preocupação de não me deixar endurecer e amargurar e muitas vezes tenho a sensação de não conseguir. O que posso dizer é que quanto mais velho, mais difícil se torna. Acho que o melhor a que posso aspirar é ser cínico às vezes e irritante o resto do tempo.

sexta-feira, outubro 10, 2014

Rasta em Algés

Estava quase a sair na estação de Algés, quando algo me prendeu a atenção. Na minha frente, de pé, uma rapariga rasta e um tio da linha, lado a lado. O tio da linha decide começar a falar com a rapariga "Posso fazer-lhe uma pergunta?". O comboio estava quase a parar e eu começava a ficar curioso. Ela "sim". O tio hesita um pouco e pergunta "Essa trança já cresce assim ou tem que fazer alguma coisa?". O comboio parou e eu tenho mesmo que sair por causa da bicicleta, mas esperei mais um segundo, tanto para ouvir a resposta, como para ver a reação dos dois. Ela "Não cresce assim, tem que se cozer." O tio "Ahhhh!!!"
Saí.
Vieram calados o caminho todo e posso jurar que não se conheciam. Deste tio só posso dizer: ou deu-lhe uma travadinha, e ficou o resto da viagem a olhar para o chão quando se apercebeu; ou é idiota de origem, e sendo assim, nunca irá perceber.

quinta-feira, outubro 09, 2014

Se calhar é melhor ir para o Zumba

Hoje fui ao fisiatra diagnosticar a dor que tenho no ombro, resultado de três quedas consecutivas de há quinze dias atrás, naquela semana de chuvas. Lá expliquei à senhora doutora que as quedas eram resultado das minhas viagens de bicicleta; ao que ela retorquiu "Porquê que anda no meio do trânsito? Porquê que não vai de metro?"; e eu expliquei-lhe que isso seria o oposto do que eu quero (andar de bicicleta!), bem, na verdade não expliquei, apenas fiquei de boca aberta, sem resposta, mas gostaria de ter respondido.
Expliquei-lhe qual era o percurso que fazia e que esperava, com uma probabilidade elevada, que no futuro próximo acontecessem mais quedas. Por isso é que lá estava: para obter drogas para as futuras dores. Também não disse isto, mas tem piada, e, no fundo, alguma verdade.
Fez-me o diagnóstico: utilizou uma ecografia e vários movimentos e palpações. Nas palpações perguntou-me se eu sentia dor, e eu respondi que não. Ela disse-me que eu tinha uma forte tolerância à dor. Mais uma vez, gostaria de lhe ter dito "mas não estou a sentir mesmo dor nenhuma...!", mas fiquei calado...a olhar para o ecrã e a pensar "espero que não encontre nenhum tumor cancerígeno", que é o que eu penso sempre que vou a um hospital. Sim, sou um cagarolas!
No final perguntou-me se fazia algum exercício físico. Desta vez respondi-lhe "Sim! Ando de bicicleta". Ela disse-me que isso não é desporto, isso é um meio de transporte; isso é andar no meio do trânsito. Calei-me e pensei: "Está-me a parecer que ela não gosta de ciclistas..."

sexta-feira, agosto 22, 2014