quarta-feira, junho 29, 2005

Uma sereia na costa lusitana

Por ser obrigado a vêr os "Morangos com Açúcar" quase todos os dias, dei por mim a observar, embasbacado, uma tal de Sorai(y)a. Acho que se chama Rita Pereira.
Mas se não é um anjo que desceu à terra... Mas se não é uma aparição divina...
Tenho que confessar que já fui procurar fotografias e vídeos desta maluca na net. Ainda não encontrei nada, mas não desisto tão facilmente. Estou com o cio!!!
Este post era para ser uma esfrega nessa novela, onde todos os adolescentes se comportam como peixeiras na praça, mas mudei de ideias. Comportem-se da maneira que quiserem, mas por favor, deixem a Sorai(y)a na praia.

Pede, pede...

Detesto pedinchões!
Não me refiro aos amigos, que esses têm o direito e o dever de pedir tudo (quase tudo) que quiserem, e se não pedirem eu mesmo faço questão de dar.
São aqueles que nós mal conhecemos mas que se sentem no direito de pedinchar, constantemente...
De vez em quando trabalho na organização de eventos. E, frequentemente, temos muitas "coisas boas": pastas, canetas, etc.
A quantidade de supostos amigalhaços do peito que me aparecem nessas alturas é inacreditável.
Já sei que quando alguém se chega perto de mim, nessas alturas, todo sorrisos, é para pedir alguma coisa. E ainda por cima fazem-me perder tempo. Primeiro começam com uma conversa (inócua) que nunca mais acaba até conseguirem arranjar coragem de fazer o pedido.
Eu, propositadamente, vou adiando a coisa. Digo-lhes para voltarem noutro dia, e assim faço durante umas semanas. Gosto de ver até quando é que eles conseguem sorrir daquela maneira idiota.
Claro que acabo por dar aquilo que os pedinchas querem. Mas faço-os sofrer muito até lá.

Quando alguém nasce selvagem

Mais uma discussãozita com uma colega...
Por acaso as culpas até são partilhadas, se não completamente minhas.
Toda a gente que me conhece bem, sabe que eu não sou nenhum Yes Man, e por isso qualquer "favorzito" que me peçam, já sabem que eu refilo sempre um pouco, mas depois acabo por ceder.
Detesto fazer o papel do gajo que está sempre tudo bem.
Mas há pessoas que levam isso muito a peito. São demasiado sérias, suponho. Isso ainda me irrita mais.
Felizmente acabou tudo em bem. E ela acabou por me confessar que tinha feito uma promessa, há uns tempos atrás, que nunca mais discutiria comigo...coitadinha não aguenta a pujança do No Man.

terça-feira, junho 28, 2005

Saldos: Relações a metade do preço!

Quando termina uma relação, há sempre alguém que afirma que o tempo partilhado foi um desperdício.
Eu sei que quando isto é dito, é num cenário de confusão sentimental, mas soa sempre mal.
Já tive relações boas e menos boas, mas nunca foi um desperdício de tempo.
E sim, já me disseram isso no final de uma relação. Fiquei pior do que estragado!
Estive eu a desperdiçar x anos da minha vida para nada.
Da forma que isto é dito e posto, dá ideia que uma relação é um negócio.
Sim! Há altos e baixos. Sim! Perde-se e ganha-se. E sim! Eventualmente acaba.
Mas será uma relação comparável a uma transacção, a um negócio?
Acho revoltante a mania que há em se comparar relações com a ida à feira.
Vamos lá acabar com isso!!!
Proponho que a frase final seja do tipo: Nem foi bom, nem foi mau. Foi uma granda merda!

segunda-feira, junho 27, 2005

Monty Python's Flying Circus em Portugal

Estou a pensar muito seriamente em telefonar ao John Cleese numa tentativa de reunir de novo os Monty Python's. Perguntam-me, como conseguirei??? Muito simples, apresentando um argumento com uma qualidade para além das expectativas mais elevadas, com um humor non-sense fantástico e situações cómico-absurdas nunca antes vistas.
E o que é melhor, não necessito de usar a imaginação, basta viver em Portugal!!!
Digam-me lá, que melhor sketch do que este:
" No norte de um país à beira mar plantado, existe uma estrada que atravessa um aeródromo, com um sinal à passagem da pista com indicação para o automobilista de parar, escutar e olhar antes de a atravessar. Eis quando o automobilista, depois de se deparar com o sinal, pára, escuta e olha, olha principalmente para o chão a pensar que estão a gozar com ele porque não vê sinais de linhas de caminho de ferro a atravessar aquele ponto,e nunca ouviu falar de uma estrada que atravesse um aeródromo, nem isso lhe passa pela cabeça. Depois de uma pequena risada de escárnio avança, sendo albaroado por uma avioneta que estava a descolar, ficando feito em pedaços (ele, a avioneta e o seu piloto). Só falta mesmo, depois disto tudo, o referido condutor sair do meio dos destroços, com a roupa toda rota e com fuligem por todo o corpo, dirigir-se para a câmara de filmar e dizer "it'sssss.......!!!! e começar a música de lendária série de humor"

Sinceramente, que país é este?? Uma estrada que atravessa um aeródromo????? E vem a entidade reguladora da aviação referir que nada tem a ver com isto porque a aeronave descolou para além da zona normal para o efeito!!!! Mas o conceito de segurança não se aplica exactamente para que quando algum imprevisto aconteça não se lamentem vítimas ou outros estragos materiais???

O que iremos ver agora depois disto??? A colocação de bandas sonoras no aeródromo para obrigar as aeronaves a reduzir a velocidade para evitar os acidentes (se conseguem ou não levantar voo por causa disso é outra questão, que depois as cabeças pensantes deste país irão tentar solucionar, nem que seja com o recurso a uma fisga gigante apontada para o ar!!); A colocação de Airbags frontais nas máquinas voadoras???; Ou tipo Malucos das Máquinas Voadoras, com o trem da aterragem a aumentar de altura automaticamente até aos 3 metros para passar por cima dos carros em caso de perigo de choque??
Se calhar o melhor é ir buscar à C.P. uma daquelas senhoras que agita uma velha bandeira minúscula à passagem de cada combóio para ir actuar desta forma no aeródromo??!!!!

Sinceramente, isto não só revolta como entristece!! Sinto cada vez mais vergonha de ser português derivado destas situações! Parece que estou a ver o mundo civilizado agarrado à barriga de tanto rir!!!!

sábado, junho 25, 2005

Eu não olho, contemplo

Palavra de honra que eu faço os possiveis, e impossiveis, para não olhar para os rabos nem para as mamocas das mulheres.
Modéstia à parte, 99% das vezes tenho sucesso na minha missão.
Mas sou apenas humano, e como tal sujeito a pequenos deslizes...
Não é que sempre que as minhas hormonas comandam os meus olhos, sou "apanhado"! Mas até parece que elas têm uma espécie de 6.º sentido. Ela até pode estar de costas, mas assim que os meus olhos aterram no rabinho dela, num repentino golpe de rins, ela vira a cabeça (à la exorciste) e apanha-me. Eu, encavacado, desvio logo o olhar. O meu pensamento é sempre, mais ou menos, o mesmo: Merda! Fui apanhado!
Eu sei que vocês não gostam, e por isso peço desculpa. Mas é um animal dentro de mim que não consigo conter.

Lucy in the Sky with Diamonds

Todos os que já jogaram ao Tetris, naquela maquineta em forma de rectângulo espalmado, sabem que se o fizerem durante um determinado número de horas, sonharão com peças a cair. I kid you not!
Pois eu, durante o tempo em que era moda o ZX Spectrum, exagerei num determinado jogo...não me lembro do nome. De tal forma que hoje, passados tantos anos, a música ainda me assalta a mente, acompanhada com os respectivos movimentos espasmódicos dum imaginário joystick. É horrivel!
Começo a pensar que nunca mais me livrarei do nível 4...

quinta-feira, junho 23, 2005

Maldita capitalista!

Texto retirado de http://vozobliqua.blogspot.com/
"A verdadeira bondade do homem só se manifesta com toda a pureza, com toda a liberdade, em relação àqueles que não representam nenhuma força. O verdadeiro teste moral da humanidade, o seu fundamental teste [o mais radical, num nível tão profundo que escapa ao nosso olhar], consiste na sua atitude em relação àqueles que estão à sua mercê: os animais. E, a este respeito, a humanidade sofreu um fundamental desastre, um desastre tão fundamental que todos os outros [desastres] decorrem dele", Milan Kundera.
Há pouco tempo a conhecida estilista Fátima Lopes afirmou em entrevista ao "Correio da Manhã" ser a favor do uso de qualquer tipo de peles. Desde então a dita senhora tem sido contactada por vários activistas contra a indústria das peles, sendo impossível demovê-la apenas com palavras.
Assim, a associação portuguesa Animal lançou um vídeo que se pretende tornar o vídeo mais divulgado em todo o mundo, onde se mostram os verdadeiros horrores e as atrocidades cometidas contra as inocentes criaturas, que têm tanto direito à vida como eu, ou tu que estás a ler!
É importante dar a conhecer aos mais distraídos como tudo se passa, aquando o acto de retirar a pele ao animal, e mais importante ainda, é perceber que na maioria dos casos O ANIMAL AINDA ESTÁ VIVO! E isto tudo para que várias senhoras (mas também senhores), se acessorizarem com uma beleza que não é deles.
É preciso algum sangue frio para conseguir ver este vídeo até ao fim! Depois de clicar em play dezenas de vezes, consegui finalmente arranjar coragem para um minuto e meio do pior filme de terror que alguma vez vi! Só se não tiveres coração, é que estas imagens não te vão tocar de algum modo!
Por isso, e porque os pobres animais não têm voz, usa a tua para denunciar esta indústria que só demonstra a podridão do Homem, e passa o vídeo a todos os teus contactos!
Faz o download do vídeo aqui!

CALAR É CONCORDAR SILENCIOSAMENTE COM A CONTINUAÇÃO DE TAMANHA ESTUPIDEZ!!
***
Adenda ::: Vários foram aqueles que responderam ao meu apelo e deram a devida atenção a este assunto nos seus blogs! Mas precisamos que ainda sejam emprestadas mais vozes àqueles que não se podem defender! Junta-te a nós:


O fim dos capitalistas está próximo!

Tenho pensado um pouco sobre os direitos de autor.
A meu ver, num sistema perfeito, a única coisa que o autor teria direito, seria o seu nome na obra e, claro, o reconhecimento e todas essas necessidades emocionais que todos temos. Num sistema perfeito, ninguém precisaria de vender ou comprar cultura/conteúdos. Um autor num sistema perfeito, não veria pirataria.
Eu até compreendo, até certo ponto, a raiva dos autores quando vêm a sua obra pirateada. Sei que "aquilo" é o seu ganha-pão. Mas por outro lado, sinto mais simpatia pelas minhas necessidades. Se eu não tenho dinheiro para me cultivar devo permanecer na estupidez?
A minha visão disto tudo é que estamos numa guerra: nós os que não podemos e/ou não queremos pagar pelo que deveria ser gratuíto, contra todos os outros. E nós estamos a ganhar, não por imposição da razão (como deveria ser) mas por esmagadora maioria.
E a partir do momento que se abra o precedente (e vai-se abrir) da "cultura é para todos!", a partir daí não para. Depois vem a saúde, a habitação, etc, e finalmente a democracia e o capitalismo encontram o fim.

FIM!

quarta-feira, junho 22, 2005

Portugal selvagem

Finalmente acorrentaram uma mulher, pelo pescoço, a um tanque de roupa! Estou a brincar. Mas convenhamos, tem a sua piada.
E depois houve um jornalista que perguntou a um nativo o que é que ele achava de toda aquela situação e não é que ele respondeu mais ou menos isto:
"Acho mal (o homem) ter prendido a mulher ao tanque durante oito dias. Isso não se faz. Se a mulher fez alguma coisa errada era dar-lhe umas lambadas (...)".
Se não entenderam onde está a ironia desta argumentação, então também fazeis parte do sistema.
Ainda digo eu que tenho algumas características de machista...este é mesmo um país de atrasados merdais!
E depois não fiquem surpreendidos com o que pensam de nós lá fora, porque a realidade é que a grande maioria dos tugas (detesto esta expressão) são uns selvagens.

segunda-feira, junho 20, 2005

Não falo russo!

Como já disse anteriormente, à noite eu gosto é de bares!
Qual a razão desta reafirmação? Parem de me convidar para ir à merda das casas de Strip!!!
Sim, gosto de vêr gajas boas! Não, não sou panilas!
Mas passar a noite toda a olhar para as russas, podres de boas...Jesus!
Primeiro, saio de lá extremamente frustrado; Segundo, ninguém conversa com ninguém, e não é só por causa da música aos altos berros. Parecemos que estamos todos hipnotizados a olhar para as gajas. Boca aberta, a salivar. Um brilho insano nos olhos do tipo: papava-te toda...se deixasses. Mãos convenientemente arrumadas em cima do material para não passar vergonhas.
Terceiro, é obscenamente caro...o consumo, claro!
Quarto, não podemos falar em português, e eu não sei falar russo!
Desde que estas casas abriram, tenho tentado não ir muitas vezes. E de facto fui poucas vezes. Digamos que fui cerca de 10 vezes. Em todas estas idas, só me diverti uma vez. E não foi por causa de nenhuma russa, mas sim devido ao espectáculo que um amigo meu deu enquanto lhe faziam uma Lap Dance. Era vê-lo a contorcer-se...foi hilariante! No fim mereceu uma salva de palmas de toda a gente. Já se chorava de tanto rir.
Se fosse sempre assim, mudava já do Tacão para o Avião.

domingo, junho 19, 2005

Corrupção geral no trabalho

Está visto que a lei não funciona em alguns sítios.A maior cadeia de lojas de discos PORTUGUESA, que já cá está há muitos anos, tem há MUITO tempo, pessoas a trabalhar á hora durante anos.Sem contrato,sem direito a férias, sem descontos, sem direito a baixa por doença e a ganhar 2,5 euros por hora!!!!!Uma mulher a dias ganha o triplo!!

Nesta cadeia de lojas já vi muita coisa...

Houve já umas inspecções, que não sei como são feitas ou quem as faz, a verdade é que nunca descobrem ninguém a trabalhar á hora.Os chamados"Tarefeiros".Já chegaram a escondê-los nos back offices das lojas para os inspectores não os verem.Da última vez, mandaram um mail para as lojas a proibir os empregados de prestar declarações aos inspectores.
Isto não é ilegal?
Outras vezes, na impossibilidade de arranjar pessoas para os substituir, põem os "tarefeiros" a passear pela loja sem a farda, a fingir que não estão a trabalhar lá...
Serão os inspectores são estúpidos ou atrasados mentais? ou simplesmente corruptos?

Porque será que nunca (Há já muitos anos) descobrem nada de anormal nas lojas da Cadeia?

Quanto receberão eles, por cada inspecção sem resultados?

Sabendo eu que já houve MUITAS denúncias, (IDICT@idict.gov.pt) , como é que tudo está na mesma?!

sábado, junho 18, 2005

Ra(cismos).

Agora com o racismo na ordem do dia, fala-se muito em tolerância, de resto como é costume.
TOLERÂNCIA, desprezo esta palavra quando é utilizada como contrapartida ao racismo.
Na definição do verbo tolerar encontro, entre várias outras palavras, digerir e suportar.
Ora, quando dizem aos racistas para em vez de o serem se tornarem tolerantes, qual é a mensagem que realmente está a passar?
Estará-se realmente a pedir que evoluam ou que camuflem os seus "sentimentos"?
Se é para pedir alguma coisa a estes energúmenos não seria melhor pedir para evoluirem ou desaparecerem?
E, já agora, gostava de saber o que é que eles pensam quando nas notícias os portugueses são constantemente considerados uma minoria étnica em outros países e, por isso, sujeitos a serem escorraçados (muitas vezes o são). Aposto como se devem sentir confusos em relação à "raça" que supostamente deveriam ter.
Não sentirão um qualquer sentimento de Dejà Vu quando lá fora acontecem as mesmas coisas com portugueses que acontecem cá em relação aos ciganos, por exemplo?
Mas suponho que isso não seja suficiente para essas moscardas evoluirem.
Talvez se sentissem na pele o desprezo e ódio de outras pessoas que se consideram superiores, só porque na gama das cores tenham a diferente, conseguissem se aperceber que alguma coisa está errada no seu racíocinio.

sexta-feira, junho 17, 2005

Enganei-me outra vez!

Eu sabia que havia qualquer coisa de estranho em começar a trabalhar hoje (6ª feira). Fui eu que marquei as minhas férias, mas a minha memória não vale nada!
De qualquer maneira pensei: Devo ter escolhido 6ª feira porque não é tão deprimente como começar numa 2ª feira, faz todo o sentido.
Mesmo assim durante estes dois últimos dias, qualquer coisa me dizia que algo estava errado...
Não é que quando cá cheguei (ao meu trabalho) as minhas colegas começaram a rir-se. Aí eu vi logo, tinha-me enganado outra vez (já não é a primeira vez).
Agora também já não vou para casa, tenho tanta coisa urgente para fazer...
E de qualquer maneira, já não conseguia voltar a dormir (que é disso que se trata, afinal de contas). Perdido por perdido, fico!
Sinto-me um pouco estúpido.

quinta-feira, junho 16, 2005

Vai comentar para outra freguesia!

Odeio os nossos comentadores desportivos do Eurosport!
Estou eu, empolgadíssimo, a vêr Boxe e a ouvir o comentador inglês, com toda a sua característica excitação enquanto narra, quando de repente começa o comentador português a explicar, de uma forma aborrecidamente lenta, o que se passa no ringue.
A mudança é tão tristonha que eu quase sinto vontade de mudar de canal.
E depois também há a descrição dos factos. Quando o comentador inglês fala, ele descreve quem está a ganhar por pontos ou superioridade física, umas vezes é evidente outras não. Quando muda para o nosso ranhoso comentador, de repente os factos são trocados. Não digo que isto aconteça frequentemente, mas quando acontece sinto-me confuso. Em quem hei-de acreditar?
E depois há o nosso comentador para o bilhar. Quando alguém falha ou marca, não interessa se é bom ou mau, a reacção dele é sempre a mesma. É mais ou menos um ooooooohhhhh em jeito de orgasmo. Será que o gajo nunca se ouviu? Mas ninguém lhe diz nada?
Antigamente, no Wrestling, havia o Tarzan Taborda, que se esquecia que estava lá para comentar e não para falar sobre o seu clube de fãs. Bom, mas o Tarzan, porque é um cromo, sempre tinha a sua piada...
Eu proponho que se use legendas para tudo. Esqueçam as dobragens e as substituições de narrador. Deixem isso para os putos.

quarta-feira, junho 15, 2005

Quais empregadas quais quê!!!

Isto de ser solteiro e de viver sozinho tem que lhe se diga. E em relação à limpeza da casa, há muito para dizer...
Tenho uma espécie de revolta enojada em relação às limpezas. Detesto os maníacos da higiene.
Por isso, deixo aqui várias técnicas de limpeza (para gajos!) que passo a aconselhar:
  • Na cozinha, os azulejos só os limpo quando ao colocar a minha palma da mão não a consigo tirar. A louça deixo-a amontoar até não ter mais nenhuma (é sempre um bom sinal!). A prata da placa, só a mudo quando os restos de comida e líquidos que lá ficaram, não me deixam ver os bicos. O microondas - é preciso limpar?;
  • Na casa-de-banho, quando os intervalos dos azulejos passam do preto a um verde lodacento, normalmente é um bom sinal. À banheira, quando vou tomar o meu duche diário e no final não consigo descolar os meus pés do chão, também é um bom sinal;
  • Para o pó no geral. Geralmente o pó não me faz grande confusão. Apenas tenho que ter cuidado em limpar os ecrãs da TV e do monitor. Um bom sinal para o limpar é quando começo a espirrar e só paro quando saio de casa. Mas por outro lado também pode ser alergia a outra coisa qualquer, por isso verifico se é realmente o pó com um teste muito simples que é observar uma obra bastante poirenta durante 10 minutos, se não espirrar ainda se aguenta mais uns diazitos sem tirar o pó;
  • Para a porcaria no chão utilizo uma técnica de amostra. Varro 1 metro quadrado e faço as contas para o resto da área da casa, normalmente aguenta-se uma semanita no máximo duas. Para os idiotas: não tirem a amostra sempre do mesmo sítio, e se o tiverem de fazer voltem a dispor a porcaria no mesmo sítio de onde a tiraram;
  • Para o cão, é só cheirá-lo!;
  • Para vocês, chamem o cão... .

Tornei-me num monge?

Estou quase a completar 1/3 das minhas férias. Depois de amanhã começo a trabalhar. Só me lembrei hoje, ou melhor, lembraram-me hoje. Sinto-me tão deprimido!...
Neste 1/3 das minhas férias, fui obrigado a ficar em Lisboa. Dificuldades financeiras...
O que é que eu fiz? Fui à Feira do livro e comprei alguns livros, juntamente com mais alguns que já tinha em casa para ler, e fiz uma maratona de leitura. A sério!
Houve dias que passei 8 horas seguidas a ler. Isto juntamente com umas 10 voltas a uma piscina olímpica cheia de DVD's.
Foi muito agradável, mas cheguei a uma horrífica conclusão. Sinto-me sozinho como a Pila!
É verdade! Tenho-me distanciado de toda a gente numa espécie de exercício de agorafobia. É verdade que tenho a mania das doenças, mas esta acho que é real.
Para amanhã, o meu último dia, planeio uma Marcha forçada até ao Alvaláxia para ir ao cinema, mais uma vez sózinho.
Estou revoltado comigo mesmo por me ter tornado neste animal de hábitos celibatários.
Mereço que me chamem todos os nomes possíveis...vamos!!!