quarta-feira, fevereiro 24, 2010

O ombro de Andriles

Tenho o ombro direito, que a Adelaide carinhosamente chama de o ninho, num estado lastimável; um mau jeito qualquer que dei durante a noite impede-me qualquer movimento que não seja teclar ou escrever.
Também acordei com um arranhão enorme na barriga. 
Mas o que é que a Adelaide faz comigo durante a noite, isso é o que eu gostava de saber?
Estou-me a lembrar agora que isto vai impedir qualquer movimento mais brusco nos próximos dias, como por exemplo, lavar a louça e outros trabalhos domésticos que gosto tanto.
Esta lesão ameaça tornar-me num funcionário público (pronto, daqueles que não querem fazer nenhum). 
Hoje à tarde o chefe pediu-me para o ajudar a transportar uma caixa qualquer; olhei com ar dorido para o ombro ao mesmo tempo que o massajava; ele percebeu e disse "Ah! O andré está magoado no ombro. Deixe estar que eu desenrasco-me".
Foi uma coisa completamente instintiva, juro!