quinta-feira, maio 31, 2007

A educação mata a criatividade?

Esta é uma questão que me intriga há já muito tempo: A educação mata a criatividade?
Todo o formalismo, dogmatismo e uniformidade do programa educacional, por todo o globo, tende a erradicar ou marginalizar aqueles que são diferentes. Com o actual sistema caminhamos a passos largos para uma sociedade quase insectívora.
Nós somos todos criativos com um potencial ilimitado, todos! Nascemos criativos e depois podemos ser educados dentro da criatividade ou fora dela.
Este vídeo que eu colo aqui é das celebres conferências TED. O tema desta "comunicação" é precisamente Do Schools kill creativity?, apresentado pelo Sir Ken Robinson.
É uma conferência divertidíssima (é preciso perceber inglês) e tem apenas uns míseros 19 minutos.



6 comentários:

sem nexo nem sexo disse...

não vi o video...até podia ter visto o video e dizer "epah, muita giro...lol e tal " mas não...não vi o video...mas acho que a educação deve incentivar a criatividade, tipo mexerem, descobrirem e tal... mas vou ver!!! um dia.....(cof cof)

Punk Psicadélico disse...

muito interessante, devia haver mais gajos como ele...

André disse...

Neste site TED encontras muita gente assim. Tens que ir lá ver as conferências - são espectaculares!

alfabeta disse...

A educação sexual é que mata, se formos muito educados no sexo, ehehehe

disse...

Antes de mais parabéns pelo blog!
Continue com o bom trabalho!

Convido-o agora a visitar:

http://aguia-de-ouro.blogspot.com/

Futebol e política num só! Actualizações diárias!

Já agora se quiser adicionar à sua barra de links laterais esteja à vontade para o fazer!

Obrigado!

O não anónimo disse...

Então ele diz que no TED e o seus intervenientes são a prova viva de criatividade (da boa!), e esses intervenientes têm todos, digamos nas esmagadora maioria, o tipo de formação que ele diz limitar a criatividade, sendo ele próprio fruto desse sistema. E no entanto, a criatividade (bruta) tem vindo a aumentar exponencialmente, boa ou má é irrelevante. Um individuo sendo finito, terá que aprender certas coisas, e haverá as que são secundárias. E incentivo à criatividade não implica colocar música ou dança, pois criatividade
pode ser incentivada em todas as áreas do saber, até na culinária; o problema está essencialmente na forma. E fora da escola também há por onde desbravar...

Como humorista tem jeito.