segunda-feira, fevereiro 26, 2007

O Bairro Alto destruiu-me o fim-de-semana

Ultimamente tenho andado muito caseiro; este fim-de-semana resolvi ir divertir-me para a noite.
Livros e filmes, desta vez ficam sozinhos em casa.
Felizmente conheço as pessoas e os sítios certos para gozar que nem um perdido. A única regra nestas ocasiões é não levar amigos atrás. Os únicos amigos e amigas adequados são aqueles dos copos.
Eu sou um gajo sossegado e calado no dia-a-dia, mas quando só posso depender de mim meto conversa com toda a gente que ma dê.
Não é segredo nenhum que a minha "zona de ataque" é o Bairro Alto. Então lá fui eu.
Primeiro as Primas. Fui ter com umas amigas que são umas grandes malucas e dão para os dois lados. Nada melhor para começar a noite do que afirmar a virilidade a atrair uma lésbica.
Podia ter acabado aqui a noite com duas malucas que queriam festa, mas resolvi continuar... A noite ainda era uma criança e tentar satisfazer duas era muito cansativo e altruísta para o meu estado de espírito.
Até às quatro da manhã percorri as capelas quase todas: Karaoke; conversa com uma velha tarada; insultado na rua por uma gaja que eu pisei sem querer e depois convidado pela mesma para tomar um copo; os obrigatórios shots de Mezcal e Tequilla José Cuervo com laranja e canela; Apalpões e linguados numa pista de dança improvisada num bar - a sacana mordeu-me os lábios com força. Aleijou-me!; Pontapé-na-cona; Orgasmo; B-52; Tonto e alegre.
Como não estava disposto a ir para nenhuma discoteca meti na cabeça que tinha de terminar a noite ás quatro da manhã, desse lá por onde desse.
As minhas amigas especiais já eu sabia como eram na cama. Já tinha passado por isso e não me apetecia repetir. Não quero nem posso generalizar, mas as lésbicas que eu conheço não são muito boas na cama, pelo menos com alguém que tenha algo entre as pernas a que elas não estão habituadas.
Já estava prestes a desistir, na verdade estava a ir-me embora para apanhar um táxi. Descia a rua do Norte quando encontrei a gaja que me insultou e me pagou um copo. Ela ia para uma discoteca qualquer e convidou-me, eu disse-lhe que já não suportava discotecas e que me ia embora para casa. Silêncio. Ela não foi para a discoteca e eu não fui para casa.
Já há muito tempo que não me metia numa aventura destas e tão cedo não o faço outra vez. É muito cansativo e acaba logo com metade do fim-de-semana.
Ah! E tive que acordar cedíssimo porque a colega da..., não me lembro do nome dela, praticamente me expulsou da casa aos berros porque não a deixamos dormir com o barulho das gargalhadas e da conversa.
Que dor de cabeça!...

6 comentários:

O Anarquista Duval disse...

gargalhadas e conversa...?!

André disse...

Sabes o que é que eu penso sobre a descrição explícita dos actos íntimos publicamente...? Eu sei que sabes

Marciana disse...

para muitos homens seria o fim de semana perfeito

André disse...

Só para os homens que não têm outra mulher na cabeça.
Quero me livrar dela dos meus pensamentos e não consigo!

Cocas disse...

Tas apaixonado???!!!!!
Ah ah ah ah , é bem feita!!!!!!!!
Ela , seja quem for, que te dê uma lição!!!!!!

(Tas a ficar brega ah ah ah ah ah .
Não te dou muito tempo para começares a escrever poemas e a dedicá-los ah ah ah ah ah )

André disse...

Mas quem é que te disse que estou apaixonado? Onde é que estás a ler isso?