sexta-feira, outubro 20, 2006

Somos todos ateus

Metam uma coisa na cabeça, as religiões já tiveram o seu tempo e, felizmente, estão a extinguir-se e a dar lugar à secularização.
Claro que o panorama actual não parece indicar isso, mas estas coisas têm que ser vistas a uma distância considerável, ou como os americanos dizem, you must see the big picture.
As provas da improbabilidade de (um ou outro) Deus existir, são consideráveis e incontornáveis. Menciono improbabilidade para não cair em qualquer dogma, e por outro lado é cientificamente válido.
Eu, à semelhança de toda a população mundial, sou ateu. Não há ninguém que possa dizer que não é ateu. De certeza que os católicos não acreditam em Alá, Odin ou Zeus, isto é válido para qualquer religião.
Esta argumentação não é original nem minha. Richard Dawkins foi o último a utilizá-la no Colbert Report, e diz assim: "Vocês são ateístas em relação a todos os deuses em que não acreditam, eu apenas acrescento um deus mais". E é o que eu sou, um ateu como todos vocês só que com mais (ou menos) um deus na lista.
Já tive oportunidade de mencionar em posts anteriores que até sou capaz de achar a história das religiões fascinante. Mas isto, obviamente, com a devida distância temporal e física que me separa dos desgraçados que fizeram (e continuam a fazer) parte das listas negras destas. É a mesma curiosidade mórbida que me leva a achar interessante uma guerra e o arsenal utilizado.
A bíblia diz que os ateus deveriam morrer todos; não faltam cobras e lagartos nos livros sagrados em relação ao ateísmo; os ateus têm, de facto, sido assassinados (e continuam a ser) ao longo da história pelas mais variadas religiões. E isto porquê? Porque nos recusamos a acreditar em contos de fadas e no pai Natal?
Agora é a nossa vez. Não vos iremos matar, nem torturar, ou violar, mas não esperem uma vida fácil. Todas as idiotices serão enunciadas; as estupidezes anunciadas; as burrices vilependiadas.
Teremos direito a vos insultar? A não respeitar as vossas "tradições"? A fazer humor com o vosso rídiculo? Sim! Sem dúvida.
Vocês ficarão magoados e ressentidos, talvez até gozados? Absolutamente!
Temos tanto direito de vos insultar quando se arrastam até sangrar em nome duma suposta virgem, como vocês o fazem em relação à Sharia, às mutilações auto-infligidas na Indonésia e à excisão do clitóris das africanas.
Vão-se habituando.

24 comentários:

Patrícia Cardoso disse...

Eu acredito em Deus! E ao contrário do que dizes, acho que cada vez mais está a existir uma nova consciência, cada vez mais existem mais crentes em Deus!
Têem direito de nos insultar??!? Não és muito melhor do que os crentes que cometem atrocidades em nome de Deus! Tu cometes o desrespeito em nome da tua descrença!!

André disse...

Primeiro de tudo, aquilo que achas e aquilo que corresponde à realidade são coisas diferentes e distantes. Estatíticamente, no Ocidente, cada vez há mais ateus.
Segundo, como é que eu posso respeitar o que não existe, respeitar um conto de fadas? O que eu gozo, ou desrespeito, é a fé em tal enormidade e os actos decorrentes dessa fé.
Tem calma, começas a parecer uma fanática.

Patrícia Cardoso disse...

Fanática? Porquê? Porque defendo as minhas convicções?? Não é o que fazes também?

Patrícia Cardoso disse...

Eu apenas respeito a filosofia do teu blog, "Não ficaremos nem impávidos nem serenos!"

André disse...

A diferença está na flexibilidade. Eu sou flexível, aceito outros pontos de vista e até sou capaz de ponderá-los; não estou preso às amarras de nenhum dogma. Tu és inflexível, os teus argumentos são dogmáticos e carecem de argumentação e fundamentação.
Também não me irrito quando colocam o meu sistema de valores e crenças (?) em causa. Raciocino.
Acho que são essas as diferenças entre eu, que não acredito em tudo que me contam ou leio, e tu, que és muito ingénua e descartas qualquer raciocínio lógico.

André disse...

Tens toda a liberdade de ficar exaltada e irritada, assim como eu o faço várias vezes. Mas se notares, eu tento sempre apoiar os meus insultos e até gozos, em argumentos fundamentados.

Patrícia Cardoso disse...

Mesmo com febre és irrascivel!
Eu também posso dizer que estatisticamente cada vez existem mais crentes. Vamos comparar as nossas estatisticas? Outra coisa eu não descarto nenhum raciocionio, muitos menos os lógicos. A questão aqui não tem a ver com as tuas convicções serem mais lógicas que as minhas, e sim com o teu desrespeito ao achares que nos podes insultar!!

Patrícia Cardoso disse...

Já agora, quando dizes que eu sou inflexivel, estás a demonstrar que (infelizmente) não me conheces, pois quem me conhece sabe que utilizo na minha vida, o respeito por outras verdades, já escrevi sobre isso no meu blog. Mas posso relembrar-te:

Um dia disseram-me:
- Imagina que a verdade é um espelho muito grande...agora imagina que esse espelho cai e parte-se em milhões de pedaços de tamanhos e formatos diferentes... agora imagina que cada ser humanano apanhou um dos pedaços.
Resultado: Cada pessoa vê a verdade, umas com uma perspectiva mais alargada, outras apenas de um plano diferente, mas todas elas vêem a (sua) verdade.

Este ensinamento serviu-me para aprender a respeitar e a conviver com as diferenças das pessoas. Talvez por isso, tenha amigos com "verdades" tão diferentes uns dos outros e até mesmo das minhas.

André disse...

Os números são os números, não são meus nem teus, mas eles estão aí para consulta. Desde 1995, com 3,8 %
http://www.zpub.com/un/pope/relig.html
até 2005, com +/- 8 %
http://www.adherents.com/Religions_By_Adherents.html
já subiu alguma coisita.
Mesmo assim, e a comparar com há 50 anos atrás, quando era inconcebível alguém não fazer parte da religião local e assim o número de teístas rondava os 100 %, já fizemos grandes progressos.
E para terminar, mais alguns números sobre o assunto:
http://www.religioustolerance.org/atheist1.htm

André disse...

Se respeitas todas as crenças, estás errada.
A começar pelos hindus e o seu sistema de castas (já agora, Ghandi não era nenhum santinho. Pertencia à casta superior e "cuspia" nos vermes inferiores); os muçulmanos, estes têm uma lista demasiado longa; os católicos, com a negação do paraíso aos não crentes (aboliram agora o limbo, vá lá), erradicação dos contraceptivos e do aborto, etc; as novas seitas (Manás, IURD, etc) que só existem com um único fim, o de fazer dinheiro; a Opus Dei, que quer o controlo do mundo. Enfim, uma lista interminável.
E com todos estes exemplos sou da opinião que estes gajos não só não devem ser gozados como arrastados pela lama da minha intolerância.
Para terminar, também tenho alguns amigos com ideologias diferentes da minha, mas acho mais fácil falar de coisas difíceis com aqueles que são sensatos...

André disse...

No comentário anterior, onde digo "(...) estes gajos não só não devem ser gozados (...)" deve ser lido "(...) estes gajos não só DEVEM ser gozados (...)".

André disse...

Patrícia, já agora pergunto-te qual é a tua opinião sobre filmes como "A vida de Brian", dos Monthy Python; e de livros como "Cuidado com Deus", de Shalom Auslander, e já agora os "Versículos Satânicos" de Rushdie?
E também, se vivessemos todos no teu mundo idílico, quais seriam as sanções a estas obras que ridicularizam a fé dos outros? Censuravas-os ou eliminavas-os?

André disse...

Uma pergunta para acabar: o que é que és afinal de contas? Católica, Maná, IURD(ista), o quê?

Sophia disse...

Que estranho...tive a sensação que já tinha lido outro texto em outro blog a falar da mesma coisa, só que tinha era asneiras!!
Será que para estes lados agora faltam ideias ou será que alguma vez houve?? Ou os textos anteriores serão escritos através de pesquisas em outros blogs?!!
Humm...André...André...

André disse...

Este texto está directamente ligado ao do Chupa-mos. Queria comentar o texto do anarquista duval em sua defesa, mas quando comecei a escrever vi que era demasiado extenso, então resolvi fazer um post só para este tema.
Está explicado.

André disse...

E quando começar a ficar com falta de ideias sempre poderei recorrer ás fotografias eróticas acompanhadas de poemas sugestivos....

João Pinto disse...

André, apesar da minha veia completamente ateia, julgo que é de bom tom e educação respeitarmos as ideias e convicções religiosas dos outros, independentemente de estarmos de acordo ou não.

Não concordo contigo quando afirmas coisas, como gozar e fazer humor com o ridículo das convicções. Acho triste que penses isso, porque o respeito começa por respeitar as ideias dos outros com seriedade.

Que o queiras fazer, tudo bem, mas não contes com a minha conivência!!

Sophia disse...

Subscrevo o comentário do João Pinto...

João Pinto disse...

Dassss!!!

Se eu descubro o filho(a) da ##%$$% do cabr##%&% que me roubou a password de entrada no blogger mato o(a) gajo(a)!!

André, sou eu, o João, tudo bem!!!

He pá, isto das religiões é um pouco complicado!!! Para eles, que acreditam!!
Para nós é fácil!!
A religião vai existir sempre enquanto existir a morte: Para mim, na essência profunda, e salvo raríssimas excepções, as religiões existem para fornecerem uma perspectiva de continuidade depois da morte. Todas elas preocupam-se apenas em fornecer a chave do paraíso e da vida eterna, coleccionando para isso uma série de disparates em forma de regras de conduta.
Por outro lado, enquanto as pessoas não começarem a pensar pela sua cabecinha, desamarrando interiormente os nós cegos que a sociedade colocou nas suas mentes, a preocupação religiosa permanece. As pessoas são religiosas, na maior parte das vezes, por influência da educação e mentalidade de toda a sociedade que as rodeia.

Devo dizer-te que normalmente nem me dou ao trabalho de começar a aproveitar a fraqueza dos indivíduos religiosos, mas não resisto à sua plena demolição caso eles abram a boca para falar sobre a virtude da sua escolha moral. Porque normalmente as pessoas religiosas são fanáticas, mesmo quando dizem que não o são. Não compreendem o ateísmo, e provoca-lhes uma enorme repulsa.

Eu respeito as ideias dos outros. Não as compreendo, nem entendo, nem aceito, mas respeito. O que não significa que não possa gozar com elas!! Eu respeito imenso montes de pessoas, instituições e ideais e brinco com elas até ao limite do gozo e ninguém se chateia!

Porque razão é que tal acontece quando se fala de religião??

Portanto, vocês, religiosos, é que são umas flores de estufa da moral. Tipo, não me toques que me desafinas!! Fala-me de tudo, goza com tudo, menos com a religião!! Porquê???

Também é óbvio que, depois de um filme como “A Vida de Brian” é difícil eu chegar a patamares tão bons de gozo e paródia sobre a religião.

André disse...

Ufa! Pensei que tinha perdido o meu amigo João para o Demo.

Patrícia Cardoso disse...

João: :(

rui-son disse...

Pelo que posso ver, concordo contigo, cada vez há mais ateus. E se por um lado isso acontece, por outro, os que ainda ficam ligados à religião, começam a cair cada vez mais em fantismo. Não sei se era isto a que a Patricia se referia.

"Always look on the bright side of life."

Concinha da Mata disse...

Não comento ........

João Pinto disse...

Ao "não comentares" estás a deixar implicitamente um comentário. Podias era desenvolve-lo!!