quinta-feira, outubro 26, 2006

O velho levou porrada outra vez

Mais uma vez o professor José Hermano Saraiva levou "porrada" por causa do Salazar e depois não só. A última foi há uns anos atrás, num programa do Herman José, quando foi violentamente "agredido" pelo parvo do João Gil.
A noite passada, no programa Grandes Portugueses, o qual eu só vi a última hora, por duas vezes o professor foi massacrado: a primeira foi quando, após longo apedrejamento verbal a Salazar feito pelos convidados deste programa, o professor tem a brilhante ideia de tentar falar sobre os pontos positivos desta figura, quer queiramos quer não, histórica. O que se seguiu foi quase a Revolta na Bounty. Ninguém tolerou que o professor continuasse a falar e quase o chamaram de parvo; a segunda, ainda pior, foi quando o professor Luís Reis Torgal sugeriu que o professor Saraiva e a História não eram sinónimos, além disso, disse ainda que a divulgação televisiva feita pelo professor Saraiva não devia ser confundida com História. E mais, se o professor Saraiva é perito em alguma coisa é em história da carochinha.
Não foi novidade nenhuma para mim saber que o professor Saraiva é visto pela sociedade académica com suspeição e mesmo algum descrédito. Verdade ou não, não me cabe a mim decidir, foi um insulto! Felizmente, no fim do programa, o professor Saraiva respondeu-lhe à letra.
Nunca gostei dos programas do professor Saraiva, não costumo ver, ainda assim sinto alguma simpatia pelo senhor. Parece-me um tipo decente. Pronto, foi Secretário de Estado (creio) da Cultura no governo de Salazar, será por isso que este homem está sempre a ser sovado? Ou será pela velha questão portuguesa: se mostrares o conhecimento às massas serás desacreditado.?

6 comentários:

O Anarquista Duval disse...

Eu vi parte do programa...a malta caíu-lhe toda em cima, mas já não ouvi a resposta dele...eu até o compreendo,(não políticamente,claro!), é diferente quando se conhece as pessoas pessoalmente...e há uma coisa, tendo estado dentro do sistema, não sei até que ponto o gajo(Saraiva), estava completamente a leste do que se passava...claro que deve ter ouvido relatos...

"no one is innocent" dos Sex Pistols

André disse...

Sem dúvida! Mas depois também não me venham cá escolher um Rei para Grande Português. Entre um ditador e um rei venha o diabo e escolha.

P.S. Desculpa não ter falado mais contigo ao telefone, mas estava cheio de trabalho e ainda por cima estava com vírus no PC.

João Pinto disse...

Bem, bons dias caros colegas de revolta!!

Tendo frequentado o curso de história, posso dizer que a comunidade académica tem um ódio de morte ao José Hermano Saraiva!
Mas também digo que parte desse ódio tem a ver com o facto de o homem ser uma das figuras públicas mais conhecidas do país. É uma dor de cotovelo do caraças da parte daqueles tipos da faculdade que parecem umas amebas ridículas.
Obviamente que estou nos antípodas políticos do Prof. José Hermano Saraiva, mas não podemos, passados 30 anos do 25 de Abril, continuar com esta ideia de perseguição em relação ao passado. É giro que ninguém fale do facto de que o pai do Prof. Marcelo Rebelo de Sousa era uma das figuras mais importantes e com mais poder dentro do Estado Novo, e de que forma isso pode ter influenciado o filho!!

André disse...

Quanto a mim já votei no meu português favorito: Prof. Doutor George Agostinho Baptista da Silva
Se todos fossem como ele nós já estariamos na "cabeça" da Europa.
Lembram-se quando nas suas últimas entrevistas na televisão, os locutores/jornalistas já se metiam com ele de uma forma irónica? Isto poderia acontecer a qualquer um, bastando para isso ser maior do que a mediocridade portuguesa.

X disse...

Portugal teve homens de ciencia como o Garcia de Horta (homens que se existissem hoje ganhariam o nobel) teve homens de visão e navegadores.Não vejo porque razão alguém queira escolher atletas e o Salazar como símbolos de grandiosidade de Portugal. Salazar apenas trouxe para os portugueses uma mentalidade submissa e um total gosto pela falta de cultura (quanto mais burro o povo mais facil de dominar).
A minha escolha para o maior português cabe sobre o Afonso Henriques, não por ele ser um rei, não por ele ter lutado contra os espanhóis (a inimizade ibérica é a maior lavagem cerebral recebida nas aulas de história) mas sim porque foi um tipo com coragem para lutar pelo que queria, enfrentando tudo e todos, mesmo que fossem maiores que ele.
E venceu.
X

__Eagle__ disse...

antes de mais acho que o senhor merecia mais respeito. quer gostemos ou não. quanto ao que disse o sr.André Cardoso, por que é que se havia de falar do pai do Prof. Marcelo Rebelo de Sousa? Era o pai dele...tudo bem...o prof é o prof. o pai era o pai. o Marcelo Caetano até foi o padrinho dele, no entanto ele não é fascista. Por isso não vamos misturar as coisas porque não vale a pena.