quinta-feira, março 30, 2006

Ditadura para os doidivanas!

Eu sou um tipo paciente, e deve ser por isso que atraio todos os malucos das redondezas; Todos eles gostam de falar comigo; Eu simplesmente não consigo dizer - então vou-me embora. - e deixá-los lá a falar para o boneco; E depois as conversas destes gajos são sempre tão aborrecidas...
Começam sempre com a reforma e de como foram enganados pelo Estado; depois passam ao local de trabalho e os respectivos colegas e de como - dizem amargamente - são autênticos escravos e mártires desses. Todos os colegas se aproveitam deles (o que não me parece difícil de acreditar); depois vem o relato de toda uma vida de experiências frustradas e da crescente falta de fé no ser humano e por conseguinte no sistema; como não podia deixar de ser, a política e a economia são os próximos temas. Para aqueles que têm mais de quarenta e cinco anos, o fascismo (a ditadura) é sempre a melhor e única e derradeira alternativa para o futuro; acabam por onde começaram, e avisam: (...) se não temos rapidamente uma nova ditadura, daqui a dez anos não há reforma para ninguém!
A tudo isto eu digo: Pois é! Claro! Tens Razão! Estás a brincar?
Obviamente que não partilho de nenhuma ideia que sai destas brilhantes cabecinhas. Mas a única forma que tenho (penso eu) de não alongar mais a conversa é não dar respostas que exijam contra-argumentos.
Às vezes desconfio que os malucos estudam, quando não estão comigo, longas dissertações, para que no dia seguinte estejam preparados para mais uma longa metragem de retórica ao incauto (eu) que calhar passar por eles e não fizer má cara.

2 comentários:

João Pinto disse...

Ixto éra prexixo éra dois!! Dois!!! Xalaxares!!! zzz zzz zzzz

André disse...

ahahahahhaah