sexta-feira, julho 20, 2007

Potter e a irritabilidade das mulheres

Ontem fui ver o Harry Potter com a minha sobrinha, a minha irmã e o Pedro.
Tirei duas conclusões: o filme é giro e as mulheres têm um fraco poder de concentração aliada a uma irritabilidade latente e inata.
Atrás de nós sentaram-se uns putos que, aparentemente, não se calaram durante todo o filme. Digo aparentemente porque nem eu nem o Pedro nos apercebemos disso, tal era a nossa concentração no filme; já a Maria e a Patrícia passaram o filme a vocalizar chius e a olharem para trás com as sobrancelhas sobreerguidas.
Podem-me dizer que os homens geralmente não se fazem notar em meios públicos com acessos de irritabilidade, o que é verdade, mas não minto quando afirmo que mal me incomodaram as vozes traseiras dado o meu fascínio pelo desenrolar do filme.
Ainda me passou pela cabeça fazer um feitiço para calar os putos e as mulheres, mas esqueci-me de levar a varinha.

6 comentários:

trintona disse...

Odeio gente que fala no cinema!! Independentemente da idade!!!!
E odeio que comam pipocas no cinema!!!

Pipoquinha disse...

Apenas não disseste "chiu" porque não te querias dar ao trabalho.
Nós mulheres somos justiceiras, e queremos que não transformem o cinema, onde se deve permanecer calado, numa creche.
Se calhar não te transtornou porque te sentes bem em infantários.

Avelã disse...

estou com a pati e a maria não há paceincia para os ruidos irritantes no cinema, entao o crunch crunch das pipocas enerva-me como tudo.

opa o que eu queria ver esse filme, ainda nao chegou o norte :(

André disse...

Miúdas! Calma! Calma!

carla disse...

Obrigada pela visita!

André, tás na boa!

E olha, afinal depois nem se mostrou assim um parto tão difícil, consegui disfarçar tão bem [penso eu] a minha timidez. :)

e ah ODEIO ODEIO pipocas no cinema! Pq raio tinhamos q importar isso dos Americanos?

André disse...

Olha Carla, não tens nada que agradecer.
Mas acho que todos os bloggers são mais ou menos tímidos, senão escreviam menos (ou nada).
A vida sem relatos sob uma perspectiva vulnerável não teria tanta piada.