terça-feira, julho 03, 2007

Carta de desamor

Exercício pedido no Workshop de Escrita Criativa do Corte Inglês; O objectivo era escrever uma carta de desamor (ao contrário de uma de amor o propósito desta é terminar uma relação):

Aeroporto de Lisboa, 29 de Junho de 2007

Querida Nini,

Quando receberes esta carta já estarei nos braços da minha nova noiva na Tailândia, onde também o nosso amor começou.

Uma vez que não tenho conseguido falar contigo nestes últimos dias para pôr cobro à nossa relação – devias comunicar à tua secretária que eu sou teu marido porque ela nunca me deixa entrar no teu gabinete -, escolho este método pouco elegante para te transmitir a saturação e cansaço em que me encontro e que me levou a esta decisão.

Se no início a nossa relação foi igual a tantas outras também especiais e únicas, lá para o meio fiquei com a sensação que talvez estivesse enganado quanto à singularidade desta. O facto de passadas duas semanas do início do nosso casamento tu quereres dar mais “cor” á nossa vida sexual pareceu-me estranho. Felizmente, o nosso simpático conselheiro matrimonial fez questão em realçar que nos tempos que correm, qualquer mudança de ritmo e acréscimo de diversidade no matrimónio são sempre saudáveis e desejáveis. Ainda bem que mais tarde nesse dia acabámos por encontrá-lo na sessão de Swing; acho que ficaria com ciúmes se fosse qualquer outro homem. Teria sido uma noite perfeita se a esposa dele não tivesse ficado em casa doente. De facto a nossa relação parecia cair, mais e mais - segundo tu disseste, e muito bem! – numa rotina de sexo e carinho despropositados da minha parte. O conformismo instalava-se sem eu dar por isso…

O distanciamento da tua parte nas restantes duas semanas seguintes foi bem capaz de ter sido resultado das minhas obsessivas investidas amorosas. E por isso me culpabilizo.

Como te amei muito, todo o dinheiro que gastaste da nossa conta conjunta e investiste no teu negócio da SexShop e as nossas acções da Portugal Telecom que vendeste oportunamente e te permitiram comprar um Mercedes para as tuas deslocações e as jóias e roupas para a tua apresentação digna aos clientes que lá têm ido a casa à noite, foi um investimento apaixonado e, como tal, a fundo perdido. Não espero, nem desejo, que me devolvas um centavo.

Infelizmente, eu não me senti satisfeito com a falta da tua presença e, correndo o risco de ser um sacana egoísta e traidor, comecei a consultar o mesmo site onde te conheci (www.dirtythaigirls.com); o que me levou a conhecer uma mulher compreensiva da minha situação e muito querida. Tão querida que se ofereceu logo para me confortar e se juntar a mim em novo matrimónio. Penso que eu fui muito injusto e exigente para contigo, mas agora vou tentar emendar-me e não cometerei os mesmos erros graças á tua boa graça, sabedoria e paciência. Ensinaste-me muito.

Tratei de todas as papeladas em relação aos nossos haveres – teus agora minha querida.

Tem uma vida feliz. Nunca te esquecerei.

O teu primeiro amor, Tóninho

2 comentários:

voandobaixinho disse...

Costumo gabar em público e criticar em privado. Espero te no msn.

:))))

André disse...

Podes criticar à vontade que eu não me importo.