sexta-feira, novembro 04, 2005

O Não Anónimo é um anormal!

No post 'Adeus Deus!' o Não Anónimo comentou sobre uma situação que eu achei que devia apagar. Pois descrevia o que eu acho que pertence apenas à familiaridade e amizade, ou seja, relatou uma história privada.
Logo a seguir a apagar este comentário (nunca o tinha feito) arrependi-me. Pois acho que nunca em caso algum se deve censurar ninguém. Por isso mesmo venho aqui repor esse comentário:


"Já agora, a figura apresenta Jesus Cristo... Mas não é sobre isso que quero falar, digo, escrever.

Quarta-feira, dia 2 de Novembro, dia de troca intensa de posts entre mim e o André, após o último post, tive que passar ao pé do trabalho do André, e entrei sorrateiramente no gabinete dele, e o que ele estava a fazer? Estava a «penso eu» a responder ao meu último post, tinha aberto uma janela onde pude ler várias coisas entre as quais a palavra retórica. Entretanto a "figura" dá pala minha presença e levanta-se do banco, ficando tão vermelho «nunca tinha visto ninguém tão vermelho, parecia que ia rebentar» que por momentos pensei que o André tinha sido "tomado" por um extraterrestre e o dito bicho estava em modos de sair cá para fora, tal era a vermelhidão. Mas de súbito tudo ficou claro, com o Adrezito a dizer... Estás a abusar «em voz baixa», ai ví que ainda era o André, depois acompanhou-me até a saída do gabinete e repetiu, estás a abusar, em tom grave e monocórdico... Foi cómico, garanto que foi... No dia seguinte, fui até à porta da casa dele pedir-lhe um favor, ao que ele respondeu-me repetidamente, que não era capaz, não conseguia entender nada, que não tinha capacidade etc...
Bom sem palavras... "


Agora passo a dar a minha versão da história.
Estava de facto a escrever um novo post e não a comentar o que o Não Anónimo tinha, em abundância, comentado acerca dos meus outros posts.
O que se passou foi que o Não Anónimo, de maneira subtil e silenciosa, entrou no meu gabinete sem eu dar por isso e pôs-se a ler o que eu escrevia (a minha cadeira está de costas para a porta). Claro que eu não gostei desta intromissão, tanto no meu local de trabalho como na minha privacidade. De seguida, começou a rir-se e a gozar com o facto de eu ter sido apanhado "com a boca na botija".
Eu sou um tipo paciente e por isso, calmamente, expulsei-o do meu gabinete sem mais explicações. Não me lembro de ter dito "estás a abusar", mas foi de facto o que ele fez, abusou!
Se a minha indignação foi uma coisa assim tão estranha e cómica para ele, só vem provar que o Não Anónimo é um completo idiota e não sei porquê que o tenho ainda como amigo.
E mais, ele esquece-se que nunca eu deixei de respeitar o facto de ele querer permanecer anónimo. O mais engraçado é que ele proteje a sua identidade por causa da sua "importante" função na sociedade. Mais uma faceta de um hipócrita. Quem é honesto é-o em todas as facetas da sua vida.
Claro que a minha vontade de interagir com ele, reduziu-se para zero. Pelo menos, durante uns dias nem lhe conseguiria (consigo) ver as trombas.
Quebraste duas regras fundamentais comigo, tentaste foder com a minha privacidade e achas que podes fazer de mim um palhaço. Vai à merda!!!
Existe aí muita frustração acumulada, mas eu não sou teu familiar nem psicanalista, por isso não tenho obrigação de te aturar.

P.S. Posso ser ateu mas tive catequese durante uns anitos, por isso sei que Jesus e Deus são só um. Só tu é que passas por ignorante, como sempre.

18 comentários:

O não anónimo disse...

Um reparo: onde está "proteje" deve ser "protege". Espero ter contribuído para o melhoramento do teu Blog... Ena tantos...

André disse...

Só um???
Na verdade não era protege que eu queria escrever, mas sim proteja. Enfim, errei sim, mas não da forma que tu querias.

O não anónimo disse...

Bom, de alguma forma a palavra não existia.

O não anónimo disse...

Não sabia que se conseguia cometer dois erros simultaneamente ao escrever uma palavra, conseguiste surpreender-me: primeiro enganaste a escrever a palavra, e depois escreves a dita com erro... Não sabia desta possibilidade, surpreendes-me cada dia que passa, 2 em 1...

André disse...

Não foi um erro mas um deslize do meu dedo, em vez de teclar o 'a' acertei no 'e'.

O não anónimo disse...

Pois pois, o Pai Natal existe, e os bebes são entregues pelas Cegonhas...
Bem, se tens consciência que "o dedo escorregou", é porque lembraste desse facto, sete lembraste é porque tomaste conhecimento dele quando escreveste, porque é que não rectificaste logo na ocasião? Mentiroso...

André disse...

Não fui eu que me lembrei mas tu que me chamaste atenção. Eu verifiquei e percebi o que tinha sido.
É assim tão difícil de entender?

O não anónimo disse...

O Pai Natal está ai contigo, não está?!?!

O não anónimo disse...

Não de afogues mais na lama...

O não anónimo disse...

Ops! Escorregou-me o dedo novamente, no post anterior...

Concinha da Mata disse...

"sete lembraste" não anónimo, tens a tecla space avariada!
Defendo o meu amigo até ao fim!!

O não anónimo disse...

Cara "Concinha da Mata", eu vou colocando erros amiúde de forma consciente, para ver se o “Bicho” manda vir comigo, por e-mail já caiu, mas aqui ainda, não. Quero que fique exposto esta faceta «do André» de gozar com os erros dos outros «de forma agressiva», bom com este “post”, fica mais ou menos inviabilizado o factor surpresa…

Já agora, deve-se unicamente usar um “!” ou três ”!”, acima de tês não há regra.
Já apanhaste por tabela, metes com os melhores, morres como os piores. Bom não me leves a sério, a minha “luta” é com o Andróide, digo, André…

O não anónimo disse...

Como vês, "tês"... Problemas no teclado...

André disse...

Ainda há quem me defenda. Obrigado!

O não anónimo disse...

Pois, um coitado como tu, necessita desesperadamente de defesa, neste caso de uma senhora… Ai ai…

Dizeres Meus disse...

foda-se,
esse não anónimo é um ganda furúnculo.
Mas ca ganda coninhas.
Corrije lá esta frase ó totó

Dizeres Meus disse...

ó André,
deixa de te dares com esta merda de ente que ainda apanhas alguma coisa.,

André disse...

Este gajo é completamente surreal...