terça-feira, novembro 07, 2006

Quem sou eu?

Quase ninguém me compreende.
Chamam-me difícil, problemático, estranho...
Alguém muito próximo de mim diz que sou complicado como os velhos; as minhas colegas dizem que faço um cavalo de batalha de todas as questões; a maior parte das pessoas com quem me dou acha que sou estranho e de feitio complicado.
E o que é que eu sou? Terão razão estas pessoas?
A verdade é que concordo com todas estas opiniões, só não concordo é com a carga negativa que acompanha estas qualificações.
Sempre fui difícil, problemático e estranho.
Os velhos são mal vistos pela sociedade ocidental, mas eu, apesar das minhas piadas geriátricas, sempre tive muita consideração e "respeito" pela terceira idade. Não toda, apenas os poucos que realmente aprenderam com o passar dos anos. Por isso não costumo tomar como insulto quando me dizem que sou complicado como um velho.
Também é verdade que faço um cavalo de batalha de praticamente todas as questões, gosto de ser metódico e de fazer o trabalho o melhor possível. Sou de facto estranho segundo os padrões de normalidade. E há dias que só peço que não se aproximem de mim, são dias maus, são dias em que quase rosno e tenho um olhar feroz - pelo menos é o que me têem dito.
Mas sou assim tão mau? Serão estas qualidades negativas?
Permitam-me que me defenda.
Sou complicado porque não gosto de ser simples e não acredito em coisas simples; sou problemático, é verdade, e talvez isso seja consequência da primeira; sou estranho porque não faço por agradar, nem procuro soluções fáceis; o meu feitio complicado talvez seja a única qualidade que de facto é negativa, mas acho que nunca tomarei químicos para equilibrar o humor.
Muito poucos me compreendem, mas são os poucos que contam.


Este texto é dedicado à bazaroca da minha irmã.

12 comentários:

O Anarquista Duval disse...

André...se alguém tem de tomar químicos,são os zombies todos que eu vejo diáriamente, quando vou para o trabalho,são os "in" deste país que acham que toda a gente tem de obedecer a standards instituidos não sei por quem,são as pessoas que levam a vida a criticar os outros por não serem iguais a elas, são as pessoas que não te aceitam como tu és...e desde quando é que tu és complicado?...ai o caraças,é que assim eu também sou...!!porque me identifico com quase todas as tuas ideias! será que também sou...hummmm, acho que não...mas também te digo, quem não nos aceitar como somos...bem pode beijar-me o rabo!!!!!!!!

André disse...

TO THE HELL WITH THEM
FREEEEEDOMMMMMM!!!!!!!!!!!!!!!!

Sophia disse...

Já tou cheia de pena!!!!

Patrícia Cardoso disse...

Obrigada pela dedicação do Post! (LOL)
Eu também não ligo ao que pensam de mim, a não ser quando são pessoas que eu gosto, nesse caso levo muito a peito!

Ass: Bazaroca

zé tolas disse...

bem vindo ao clube!!
caranguejo é caranguejo!
a minha irmã também se queixa de mim mas eu não lhe chamo bazaroca... chamo-lhe burra mesmo!!

zé tolas disse...

ups... afinal o caranguejo é o durval... hehehe

Patrícia Cardoso disse...

Zé Tolas

Não achas que bazaroca é pejorativo suficiente?
O meu irmão não me pode chamar burra, por um simples motivo, NÃO SOU!!

André disse...

Tenho que confessar que a minha irmã não é de facto burra, embora apresente pontualmente sintomas...

Patrícia Cardoso disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Patrícia Cardoso disse...

André

Lembras-te do dia em que levaste com um telefone dos antigos na cabeça? Bem...entretanto eu cresci e tenho coisitas melhores...um aspirador...micro-ondas..enfim podia agora fazer uma lista bastante interessante! O que te parece? Ou então...os meus famosos gritos??

André disse...

Mas tu levaste bem mais do que eu, lembras-te?...bons tempos.

Patrícia Cardoso disse...

Levei mas também dei!!!