quarta-feira, maio 24, 2006

Moro num lar da terceira idade!

O problema em morar num prédio recheado de velhos é que de vez em quando tenho que ajudá-los a fazer alguma coisa. E nunca são coisas simples e que demoram pouco tempo...
Ultimamente ando fugido de uma vizinha, senhora já nos seus setentas - novinha, portanto! -, que está lesionada na perna, o que a impede de subir as escadas com facilidade. Ora, outro dia, para grande azar meu, não só os elevadores avariaram como tive o azar de a encontrar à porta do prédio. Ou seja, tive que a puxar tipo carroça, pela canadiana, até ao segundo andar. Ainda considerei levá-la ao colo, não por generosidade ou altruísmo mas para despachá-la mais depressa, mas depois olhei bem para o seu porte, comparei-o com o meu e essa ideia rapidamente se tornou absurda. Depois de despachada e entregue, rapidamente desci as escadas para sair do prédio (finalmente!). Azar meu, no rés-do-chão outra velha olhava desesperada para as luzes do elevador que não acendiam; quando me viu, uma luzinha acendeu-se nos seus olhos - palavra que parecia o Terminator - Esta morava no sexto andar.
De vez em quando, a minha vizinha, a tal da lesão, toca-me à porta e pede-me para mudar a lâmpada das escadas. Seria menos mal se não fosse a minha inaptidão para esse tipo de trabalhos e o encaixe ser de difícil acesso. Outras vezes é para lhe solucionar qualquer problema eléctrico, relembro que sou um incompetente nesta área.
Depois há os velhos que só querem conversa. Os assuntos raiam sempre a sua (deles) resistência ao tempo e o seu vigor apesar da idade. De vez em quando morre um e eu fico surpreendido...! Ultimamente tem havido um que está sempre a mencionar que toma banho de água gelada e que a juventude não sabe o que é o sacríficio. Ah! E que o nosso país está uma bela merda! Eu diria que este tipo está a pedi-las.
Os velhos que me irritam mais são os que estão sempre à janela, ou que vão lá espreitar assim que ouvem um barulhito qualquer do tipo eu a chegar às duas da manhã. Depois, no dia seguinte, veem-me entregar o relatório: "o menino chegou tarde!!!" ou, "o menino chegou com duas super-top models, e tarde". Ok! Esta última não é verdade. Mas irrita-me que estejam sempre de olho no que faço e a que horas chego e depois façam questão de me informar que sabem tudo!
Tentei treinar o meu cão a reconhecer velhos e a atacar, mas eles foram mais espertos e quando o vêem dão-lhe doces iguarias e promessas de mais ossos. O meu cão foi comprado pelos velhos! Traidor!!!

2 comentários:

João Pinto disse...

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAH!!!!!
Sei bem o que é isso meu amigo!!! Ainda me lembro das valentes secas com a tua vizinha á porta de casa enquanto o cão dela era enrabado pelo rafeiroso que passeava na rua!!
Tenho uma solução para o teu problema!! Tenta organizar um almoço de borla para a velharia do prédio e chama uma certa pessoa para cozinhar o almoço!! Funcionou com o velho do 5º andar, pode ser que funcione com o resto!!! ;-)

um abraço

André disse...

AHAHAHAH
Já não me lembrava disso.
Corro o risco de ficar com o prédio às moscas...e depois onde é que vou buscar a minha inspiração?
De qualquer maneira é uma ideia que vai ficar guardadinha.